Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Défice demográfico.

A população portuguesa atravessa um verdadeiro défice demográfico.

Para debater as consequências desta grave crise e tentar encontrar soluções para obviar a esta tendência em Portugal, o Auditório da Assembleia da República reuniu vários especialistas internacionais.

E pensar que Portugal já teve, nos anos 40, 50 e 60, a maior taxa de natalidade da Europa!

Estamos, de facto, perante uma Nação moribunda…

E não se percebe... apesar de tudo, hoje existe muito mais bem estar económico que nessas décadas, nas quais Portugal não dispunha dos "rios" de dinheiro de que dispõe hoje (saber se esse dinheiro é criteriosamente aplicado é já uma outra questão...).


Mas talvez seja o egoísmo, o edonismo, e todos os "ismos" da nossa actual sociedade que nos faz voltar para outros "valores" que não os perenes e os essenciais.
Lembro-me dos livros da minha instrução primária, agora algo divulgados por algum "saudosismo" do passado (eu próprio gosto, de vez em quando, colocar aqui as suas belas imagens), nos quais afinal se transmitiam valores de sempre, valores seguros, como a Família.
Que dizer da beleza daqueles textos nos quais se valorizava o papel da mãe, cuja alegria residia precisamente nos filhos que tinha e que considerava uma benção de Deus!
Velharias dir-me-ão! Pois...
Foto: ela é tão "bebé" não é? Tão querida... quem tem assim uma "coisinha" destas tem tudo...

Etiquetas:

domingo, 28 de setembro de 2008

Construir uma nova sociedade de mãos dadas com o Senhor.




A liturgia deste Domingo revela-nos ( se já o não soubessemos) que Deus a todos chama para a construção de uma nova sociedade, onde impere, de facto, a Sua Justiça e a Sua Paz.


Queiramos nós assim contruí-la, de mãos dadas com o Senhor!

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Cristão perseguidos. Ontem como hoje...


A comunidade católica na Índia tem sido violentamente atacada por fundamentalistas hindus, com destruição de Igrejas, como a Catedral de São Pedro e São Paulo de Jabalpur.

O Secretariado português da “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) pediu a todos nós, crentes, que ao meio-dia de hoje façamos uma pausa para rezar a oração do Angelus, a fim de que a paz regresse à Índia, e aí surja de novo o valor da tolerância.


Nota: a foto foi retirada do "site" da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre http://www.fundacao-ais.pt/ . Com a devida vénia.

Etiquetas:

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

"Tempos de Transição"... não, não são os de hoje...


Focando o período que vai de 1968 a 1974, tendo como pano de fundo a actuação, enquanto Presidente do Conselho, do saudoso Prof. Marcello Caetano, o Centro Nacional de Cultura, o Grémio Literário (este vai certamente “bater” naquele…) e o Círculo Eça de Queiroz vão promover um ciclo de debates, a partir de 24 de Setembro, intitulado "TEMPOS DE TRANSIÇÃO”.

A não perder, pois, esta oportunidade de aprofundar um período da nossa História, no qual porventura poderia Portugal ter-se aberto a outro destino, evitando assim a “perda de tempo”, o retrocesso social e económico, e a perda de valores que representou o “25 de Abril” (veja-se o caso da Espanha), e a vitória daqueles que nos reduziram à presente miséria…

É claro que depois de se conhecer o desfecho da História, é fácil traçar caminhos e delinear soluções.


Como dizia um conhecido futebolista português, “prognósticos, só no fim do jogo”. Pois…

Etiquetas:

domingo, 21 de setembro de 2008

Que é feito deles?


Veio-me à memória a sua figura, o seu charme, a sua simpatia.

De facto, tenho-me recordado dele nestas últimas semanas. Lembro-me da sua grande mota, das suas viagens entre Lisboa e Alvega, muitas vezes no Inverno, debaixo de chuva.

E eu, miúdo, sonhava com o dia em que poderia fazer o mesmo, percorrer assim “grandes” distâncias, sentir o gosto da liberdade…

Lembro-me também da sua fé, do seu modo de vida asceta, recusando o conforto possível, ao ponto de dormir no chão, ao lado da cama... apenas mantinha aquele pequeno prazer de “motard”.

Que será feito dele, rapaz novo ao tempo?


Que é feito daqueles com que nos cruzámos um dia, e que ficaram, de algum modo, a fazer parte de nós?

Onde eles estão, ó Tempo que tudo levas?!

Etiquetas:

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Um Regime pode cair numa noite...


Sonhei que um regime pode cair numa NOITE...


Espero que este CAIA... já é tempo de pormos fim a tanta ignomínia!
Apenas alguns exemplos:
O desmantelamento do Estado e a destruição da Administração Púbica;
O ataque à Magistratura Judicial e a tentativa de condicionamento da mesma;

O laicismo militante;

O ataque descarado à Igreja;

O ataque à instituição casamento;

O ataque à instituição família;

A insegurança que se vive no País;
O desemprego galopante;

A nova lei do divórcio

A revisão "neoliberal" do Código do Trabalho;

O novo tema fracturante que aí vem patrocinado pelo PS: o casamento homosexual.
"chega" não vos parece?

Etiquetas:

domingo, 14 de setembro de 2008

Santa Cruz!


Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,
obedecendo até à morte e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,
para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem
no céu, na terra e nos abismos,
e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor,
para glória de Deus Pai.

(Epístola de São Paulo aos Filipenses)


Lindo texto o de hoje, celebrando a Festa da Exaltação da Santa Cruz!

Também eu hoje me ajoelhei, de pés descalços no chão da Igreja de São Nicolau, com um fervor que há muito não sentia, deixando passar a Procissão do Senhor que percorria a nave central da Igreja.

A Santa Missa aqui é celebrada com um certo sabor tradicionalista, recuperando velhos ritos da Igreja de sempre, recordando-se aos fiéis “pequenos” pormenores catequéticos sumamente importantes para uma evangelização destas gentes da grande cidade agreste, a qual se impõe com carácter de urgência.

A propósito da celebração de hoje, vem à colação uma frase de João Paulo II, a qual não compreendi durante muitos anos, anos em que estive muito longe, num outro país, numa outra dimensão, irreal, dolorosa, e da qual fui resgatado por Jesus:

“A cruz de Cristo é, em certo sentido, a última palavra da sua mensagem e da sua missão messiânica”.


Como hoje na Igreja Te adorei, meu Deus!

Aos Teus pés me encontro, Jesus, com todo o meu amor e a minha humildade, pois compreendo que muitas infidelidades cometi e cometo mas… confio em que Tu me ajudarás a superar o passado e a vencer o presente, para alcançar o Futuro, que apenas em Ti existe.

Etiquetas:

sábado, 13 de setembro de 2008

Agora é tarde...


No "Expresso" de hoje, António Pires de Lima, na sua coluna "Futuro Passado", à volta com o tema das eleições americanas, acaba a constatar que em Portugal parece não haver alternativas, e que a "luz ao fundo do túnel" não se vislumbra nunca mais...


E termina, afirmando que o futuro de Portugal " está onde sempre esteve: África. O único Continente onde deixámos raízes e onde somos competitivos."


Pois... de facto, assim é mas... agora é tarde!


Como afirmou o saudoso Prof. Marcello Caetano, " talvez em nenhum momento da História o povo português tivesse tão viva, como hoje tem, a consciência do que é, do que representa, do que vale o Ultramar (...) um solo onde há muitos séculos tremula a bandeira nacional e que os Portugueses arrancaram à estagnação e à barbárie para nele construir sociedades civilizadas e abrir os sulcos do desenvolvimento económico e cultural".

(Discurso proferido na conferência anual da Acção Nacional Popular (A.N.P) no Palácio dos Congressos, Estoril, 28 Fevereiro 1972).



Palavras que foram tragicamente desprezadas por uns quantos...

Etiquetas:

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

O dia de hoje: Natividade de Nossa Senhora.


“O que nela se gerou é fruto do Espírito Santo”

Mt 1, 1-16.18-23



Hoje a Igreja celebra a Natividade da nossa Mãe.

Na verdade, o nascimento da Virgem Maria (que nome tão doce...), é razão de júbilo, pois através d'Ela veio ao mundo a Aurora que precedeu o Sol da Verdade e do Amor, o Redentor da Humanidade, Jesus Cristo.
Nota: Imagem de Nossa Senhora - Séc XVII.

Etiquetas:

sábado, 6 de setembro de 2008

Apenas viver...



"Há um momento em que as pessoas se cansam de lutar, querem apenas viver".


Margarida Rebelo Pinto, in "Português Suave".


Pois é verdade: em Portugal, esta afirmação tem toda a propriedade. Aqui, a cairmos todos para o Atlântico, estamos fartos de lutar... em vão!

Fartos de "boas" palavras, de "boas" intenções, de guerras e querelas estéreis, sem esperança de chegarmos a bom porto.

Etiquetas:

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

As cores do meu País.



O País foi de um azul celeste até 5 de Outubro de 1910.


Teve o verde da esperança num amanhã grandioso, com uma Nação pluricontinental.


Teve já o vermelho tenebroso da Revolução.


Hoje tem o negro do desespero e da descrença.

Etiquetas:

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

O Mar...



O Mar sim... sempre! Sentimos que perante ele não poderemos morrer nunca...

Etiquetas:

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Quem semeia ventos...



António Cluny, em entrevista ao Diário de Notícias, citada no “Público” de 1 Setembro, veio dizer que “ os problemas de segurança estão (…) ligados ao tipo de sociedade que se construiu nos últimos anos. À insegurança das ruas somam-se muitas outras: a precariedade do trabalho, o desemprego, as péssimas soluções urbanísticas, os graves problemas da escola pública”.

Não se entende: então, não foi esta a sociedade que António Cluny, e todos aqueles que afinam pelo mesmo diapasão, quiseram para Portugal? Não foi esta a sociedade que “ajudaram” a fundar? Antes destes mentores, tínhamos uma sociedade que não conhecia o crime organizado, onde se podia brincar na rua, onde as pessoas podiam sentar-se nos jardins sem receio de serem assaltadas… onde a palavra "precariedade" era desconhecida. Ah! E já agora, uma sociedade que tinha um sistema público de ensino eficaz e extremamente organizado, desde a então chamada "quarta classe" até à Faculdade... Hoje, tudo falha! É um mistério, não é? Com homens tão bons inteligentes esclarecidos e progressistas à frente dos nossos destinos...


Afinal, de que se queixam os Antónios Clunys deste País?

Etiquetas:

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

De novo, Santa Beatriz da Silva.


Da Missa de hoje:


" Exultemos de alegria no Senhor, que chamou ao seu amor divino esta virgem santa e gloriosa."


"Senhor nosso Deus, que fizestes resplandecer na virgem Santa Beatriz o altíssimo dom da contemplação e a adornastes com a singular devoção à Imaculada Conceição da Virgem Maria, concedei-nos que, seguindo o seu exemplo, busquemos na terra a verdadeira sabedoria para merecermos contemplar no Céu a glória do vosso rosto. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo."




Trago aqui, à colação, este texto que segue, e que já tinha publicado no ano passado. De novo, a memória de Santa Beatriz da Silva, Virgem, celebrada nesta Segunda-feira.


S. Beatriz da Silva, filha de pais portugueses, nasceu em Ceuta por volta de 1424 ou 26 (embora o Padre Marcelino Caldeira, na sua biografia sobre a santa, afirme que ela nasceu em Campo Maior, filha de D. Rui Gomes da Silva, Alcaide-Mor da Vila). De qualquer modo, viveu a jovem nas mágicas planícies do nosso Alentejo, e daqui passou à corte de Castela em 1447 como dama de honor da Infanta D. Isabel de Portugal. Esta, já Rainha em Espanha, ciumenta da beleza de Beatriz, fechou-a num cofre, ou num caixão, ou emparedou-a mesmo, supondo que assim morresse a jovem. Contudo, nos dias em que permaneceu nessa prisão, apareceu-lhe a Virgem Maria com o Menino Jesus nos braços, protegendo-a.


Não tendo conseguido os seus intentos, a Rainha deixou-a partir para onde quisesse, e ela retirou-se para Toledo, onde permanceu cerca de 30 anos.


Ali, e ajudada pela Rainha Isabel, a “Católica” (filha daquela que a tentara matar) fundou a Ordem das Concepcionistas Franciscanas.


Com efeito, em 1484 fundou o Instituto que mais tarde tomou o título da Imaculada Conceição de Nossa Senhora (Concepcionistas) e que foi aprovado pelo Papa Inocêncio VIII em 1489.


Pouco depois de fazer profissão religiosa, faleceu com fama de santidade, tendo sido beatificada pelo Papa Pio XI em 28 Julho de 1926, e canonizada por Paulo VI a 3 de Outubro de 1976.


Hoje em dia, em Campo Maior, celebra-se no 1º Domingo de Setembro a Festa litúrgica de Santa Beatriz da Silva, que compreende Missa e Procissão. Esta, integrando a imagem da Santa, sai da Igreja de São João.


Para além deste perfume de santidade, vejam como se respira aqui toda a poesia das Almas que se abandonam a Deus e ao amor à Virgem Maria...
Nota: na foto, o Mosteiro da Imaculada Conceição - Campo Maior - do site da Ordem da Imaculada Conceição - http://santabeatrizdasilva.com/ . Com a devida vénia.

Etiquetas: