Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

domingo, 14 de setembro de 2008

Santa Cruz!


Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,
obedecendo até à morte e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,
para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem
no céu, na terra e nos abismos,
e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor,
para glória de Deus Pai.

(Epístola de São Paulo aos Filipenses)


Lindo texto o de hoje, celebrando a Festa da Exaltação da Santa Cruz!

Também eu hoje me ajoelhei, de pés descalços no chão da Igreja de São Nicolau, com um fervor que há muito não sentia, deixando passar a Procissão do Senhor que percorria a nave central da Igreja.

A Santa Missa aqui é celebrada com um certo sabor tradicionalista, recuperando velhos ritos da Igreja de sempre, recordando-se aos fiéis “pequenos” pormenores catequéticos sumamente importantes para uma evangelização destas gentes da grande cidade agreste, a qual se impõe com carácter de urgência.

A propósito da celebração de hoje, vem à colação uma frase de João Paulo II, a qual não compreendi durante muitos anos, anos em que estive muito longe, num outro país, numa outra dimensão, irreal, dolorosa, e da qual fui resgatado por Jesus:

“A cruz de Cristo é, em certo sentido, a última palavra da sua mensagem e da sua missão messiânica”.


Como hoje na Igreja Te adorei, meu Deus!

Aos Teus pés me encontro, Jesus, com todo o meu amor e a minha humildade, pois compreendo que muitas infidelidades cometi e cometo mas… confio em que Tu me ajudarás a superar o passado e a vencer o presente, para alcançar o Futuro, que apenas em Ti existe.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger JúliaML said...

bonito,isso :-)

segunda-feira, setembro 15, 2008  
Blogger C.M. said...

oui...

terça-feira, setembro 16, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home