Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Perdas irreparáveis.


De súbito, a meio de uma peça processual que aqui estou a fazer, (financiamentos da União Europeia… se “eles” soubessem como o dinheiro é mal gasto nestes empresários portugueses de meia tigela!), ao som de Bach (Paixão de São Mateus), deu-me cá uma angústia tão grande! Um sentimento de solidão atroz, de desamparo. E lembrei-me que precisava neste momento de ter aqui comigo o meu pai… falar com ele, poder almoçar com ele, beber um tinto a dois, coisa que aproxima os homens... e dizer-lhe que aqui, neste ano de 2010, o amo, e não o esqueço, apesar de todos os dramas vividos…




Nota: Foto de Vinicius Carneiro - "A Fé e a Solidão". Com a devida vénia.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Margarida said...

...cumprem-se hoje vinte e quatro anos em que perdi o meu...

segunda-feira, outubro 04, 2010  
Blogger C.M. said...

É duro... nunca se esquece...

terça-feira, outubro 05, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home