Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Mundial de Futebol: quem quer saber da ignomínia?


Uma vergonha o que se passa neste Mundial de Futebol!


Segundo o “DN”, poucos meses após o início da construção dos novos estádios para o Mundial da África do Sul, começaram a surgir problemas no que aos prazos de conclusão das obras dizia respeito. De todas as partes do continente africano surgiam milhares de trabalhadores, mas nem assim as obras estariam prontas dentro do prazo estipulado.


Até que chegaram os norte-coreanos mas com uma particularidade: eram prisioneiros! E foram estes que tornaram possível a conclusão dos estádios e respectivas acessibilidades.


O que enoja é que o mundo inteiro sabe o que se passa na Coreia do Norte – um Estado ignóbil, onde reina o terror, e ninguém diz nada, ninguém faz nada. Pois “compreendemos”: até os EUA têm medo da China…


Kang Chol-Hwan, no seu doloroso mas imprescindível livro (para compreendermos que no mundo actual ainda há muitos monstros à solta) “Os Aquários de Pyongyang”, editado entre nós pela “Hespéria” (do qual já aqui publicámos excertos), relata-nos o que sucedeu à equipa de futebol norte-coreana que, em 1966, perdeu frente a Portugal:

"Conheci no campo um prisioneiro célebre na Coreia. Durante a sua longuíssima estada na prisão, alimentou-se sistematicamente de todos os insectos que conseguira encontrar, o que lhe permitiu aguentar-se. De qualquer modo, ficou com uma alcunha: chamavam-lhe Barata. Park Seung-Jin, de seu verdadeiro nome, conhecera um momento de glória em 1966, durante o campeonato mundial de futebol, que tivera lugar em Inglaterra. A Coreia do Norte não só ficara qualificada para as finais como, durante as eliminatórias, conseguira a proeza de ganhar à Itália, por um a zero. Para festejar este acontecimento, os jogadores fizeram uma festa algo descontrolada num bar, onde beberam muito e se envolveram com raparigas. Passados dois dias, ainda não se tinham recomposto verdadeiramente. Após um fabuloso início de jogo contra Portugal – lideravam por três a zero! - descontrolaram-se. Portugal conseguiu fazer uma recuperação incrível e acabou por ganhar cinco a três.

Em Pyongyang, a prestação da equipa nacional no estádio e no bar foi muito pouco apreciada e o comportamento dos jogadores considerado burguês, reaccionário, corrompido pelo imperialismo e pelas suas ideias perversas. Toda a equipa foi detida quando voltou ao país (…).
(fls. 96-97)


Este relato tem por pano de fundo o inenarrável campo de concentração, ainda hoje existente, de Yodok.

Presumo que, dramaticamente, o mesmo vai acontecer de novo…mas ninguém quer saber…


Mas façam um esforço: ao menos leiam o livro e meditem.

Etiquetas:

5 Comments:

Blogger Margarida said...

Sintonia total.

terça-feira, junho 22, 2010  
Blogger C.M. said...

Estamos alerta, Margarida!

quarta-feira, junho 23, 2010  
Blogger carla santos said...

Ola C.M.
Desculpe-me C.M por lhe estar a perguntar,é que por vezes sou um pouco ignorante com certas palavras.O que significa IGNOMÍNIA?

quarta-feira, junho 23, 2010  
Blogger C.M. said...

Carla,IGNOMÍNIA pode significar, segundo o "Dicionário da Língua Portuguesa", da Porto Editora, 6ª Edição, "INFÂMIA, DESONRA, OPRÓBRIO, AFRONTA". Será um vexame, uma afronta vergonhosa, uma vergonha, uma desonra.

Será que seriam necessários tantos golos para vencer o adversário?

Não me incomodam nada as suas questões, Carla. Obrigado pela visita.

quarta-feira, junho 23, 2010  
Anonymous carla santos said...

Obrigado eu C.M ja aprendi mais um pouco.
Nem tudo nós sabemos.Obrigodo
Bjs

quarta-feira, junho 23, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home