Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Do recolhimento e dos fiéis amigos.



A Margarida, por via da chuva que voltou aos nossos caminhos, afirma hoje na sua loja que voltou a vestir "caxemira, em vez das diáfanas sedas que já seriam recomendáveis. E tornaram os collants. Mais as botas!".


Bom, "Abril águas mil" como dizia o saber popular ( que esta actual geração não sabe nada nem quer saber).


Com a chuva voltou uma certa melancolia e o desejo de recolhimento. Recolhimento para poder descansar a Alma, longe de inúteis e ociosas conversas, colocar as ideias em ordem, e poder usufruir do inefável crepitar da lenha, esse suave calor que as árvores amigas, mesmo depois de mortas, são capazes de oferecer ao homem.
E sentir nas mãos os livros, esses fiéis amigos que nos amparam ao longo da vida.

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger Margarida Pereira said...

O meu nobre fidalgo tanto me faz rir como chorar.
E ambas as coisas são muito boas.
Bem-haja...

quinta-feira, abril 16, 2009  
Blogger C.M. said...

Ora ainda bem, cara amiga.

quinta-feira, abril 16, 2009  
Blogger joaquim said...

Como o tema deste post também é Abril, deixo aqui uma "historieta", que já contei noutro destes espaços.

Há uns anos largos, quando eu era menino e moço, houve uma campanha em Portugal que era o "Abril em Portugal".

A coisa era interessante, mas com um senão, é que chovia "se Deus a dava" em Portugal, no mês de Abril.

Vai daí uma amiga minha fez um cartaz a propósito: Retratava um estrangeiro junto a um monumento português de guarda-chuva aberto e com a seguinte legenda: «Abril'o em Portugal».

Abraço.

sábado, abril 18, 2009  
Blogger C.M. said...

É verdade, lembro-me dessas campanhas, com umas moças a distribuirem flores (não sei se eram cravos...) aqui em Lisboa...

Abraço, Joaquim.

domingo, abril 19, 2009  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home