Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

domingo, 13 de abril de 2008

O Bom Pastor.






Disse Jesus: “Eu sou o Bom Pastor. O bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas”.
(São João 10:11).

Nós todos que andamos neste vale de lágrimas, bem sabemos que a vida é um tremendo desafio à nossa resistência física e mental. No fundo, um desafio à nossa capacidade de sofrimento…

Contudo, Deus é Aquele que nos pode ajudar a vencer qualquer problema ou barreira: apenas temos de abrir a porta quando Ele a ela bate…

Cristo foi o nosso Redentor.

Para salvar o homem, atingido pelo seu próprio pecado, foi necessário que Deus se tornasse homem e assumisse as culpas dos homens, sacrificando-se por eles.

Esse sacrifício propiciatório, que Cristo realizou no Calvário, é repetido em cada Missa, quando o sacerdote, pela transubstanciação do pão e do vinho no corpo e sangue de Cristo, oferece, de novo, o próprio Cristo a Deus Pai, por via dos nossos pecados.

Daí o valor intrínseco e infinito da Missa.

João Paulo II, na sua Carta Encíclica “ Ecclesia de Eucharistia” bem afirmou que “ A Igreja vive da Eucaristia. Esta verdade não exprime apenas uma experiência diária de fé, mas contém em síntese o próprio núcleo do mistério da Igreja. É com alegria que ela experimenta, de diversas maneiras, a realização incessante desta promessa: «Eu estarei sempre convosco, até ao fim do mundo» (Mt 28, 20); mas, na sagrada Eucaristia, pela conversão do pão e do vinho no corpo e no sangue do Senhor, goza desta presença com uma intensidade sem par.”



Não certamente pelas nossas virtudes, mas por via da Bondade de Jesus, esperamos que, quando chegar a hora da nossa partida, possamos finalmente possuir a Sua Paz.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Júlia Moura Lopes said...

"A Paz que vos pedimos
A Paz, sem vencedores
nem vencidos"

tenha um bom fim de semana!

sexta-feira, abril 18, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Obrigado, Júlia. Também para si!

sábado, abril 19, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home