Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

sábado, 8 de dezembro de 2007

A Padroeira da Nação.


Hoje, dia 8 de Dezembro, a Igreja celebra a Conceição Imaculada de Maria.

D. João IV consagrou a Nação inteira a Nossa Senhora da Conceição, colocando a Seus pés a real coroa, a qual, de facto, nunca mais foi usada por monarcas portugueses.


E jurou "de confessar e defender, até dar a vida sendo necessário, que a Senhora Mãe de Deus foi concebida sem pecado original".




Na Monarquia, toda a Nação se revia na pessoa do seu Rei.
O rei era, na verdade, o rosto de todos os portugueses.
A própria Universidade de Coimbra prestou juramento de defender a Conceição lmaculada de Maria, em acto soleníssimo, com participação dos docentes de todas as faculdades.

Para tanto, foi decidido “que em nenhum tempo seja admitido aos graus desta universidade o que não fizer este juramento, obrigando-se a defender esta crença e voto”.

Mas, nos anos 20, o governo de Afonso Costa, na esteira do materialismo e da Maçonaria, proibiu este juramento, substituindo-o por outro que ainda vigora: “Juro por minha honra cumprir com lealdade as funções que me são confiadas”.

Bonito isto? Um nojo…

Todavia, o verdadeiro povo português, aquele que estivera representado nas Cortes de 1646, manteve a sua devoção à sua Padroeira. E, como que em sinal de reconhecimento, a Virgem apareceu em Fátima, nessa época tão difícil para a Igreja e para a Fé.

Hoje e sempre, Maria, caminho seguro para o nosso Salvador, Jesus.
Nota: Nossa Senhora da Conceição, madeira policromada, séc. XVIII. Imagem retirada do "site" de "Cabral e Moncada Leilões".

2 Comments:

Blogger redonda said...

Leio e lembro que Nossa Senhora da Conceição foi a madrinha da minha avó. Só não me lembro como. Vou perguntar depois à minha mãe como é que isso era possível.

terça-feira, dezembro 11, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Ora então conte... maas há casos em que tomamos como padrinhos ou madrinhas um determinado Santo...

terça-feira, dezembro 11, 2007  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home