Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Homo homini lupus


Hoje, ao ter de reorganizar o meu "Curriculum Vitae", mergulhei numa época já muito longínqua, mas não menos perturbadora. Lembrei-me de pormenores que até prefiro, não sendo possível esquecer, pelo menos não recordar muitas vezes os seus contornos de pesadelo. Os homens são mesmo maus…ou, numa perspectiva mais profunda, perversos. O perverso, como disse Marie-France Hirigoyen, “prefere matar indirectamente ou, mais exactamente, levar o outro a matar-se a si mesmo”. No fundo, na agressão perversa, não há nenhuma prova. É uma violência “limpa”. Um assassínio psíquico. Uma destruição subterrânea.

Lembrei-me de como me sentia, outrora, numa outra vida, como um marinheiro, no mar alto, revolto, sozinho e sem ninguém para, em conjunto, lutar. Mas esse tempo, graças a Deus, passou. Passou, no entanto (parece-me que foi Salazar que afirmou): perdoo, mas não esqueço.
As violências nunca se esquecem…

Imagem: óleo de Paul Klee - Simbad, o marinheiro (1923).

5 Comments:

Blogger crt said...

Um dia gostava de passar por aqui e encontrar um texto que, debruçando-se sobre o passado ou o presente, fosse o espelho dum momento alegre, feliz, prazenteiro...
(De certeza, que tem momentos bons na sua vida tão dignos de registo e recordação quanto os outros)

sexta-feira, novembro 24, 2006  
Blogger Cabral-Mendes said...

A seu tempo...mas sou mais melancólico, sem ser triste no meu dia-adia, bem pelo contrário. Mas, no nosso interior, vivem paisagens e momentos que não esquecem...

Obrigado pelo desejo, crt.

sexta-feira, novembro 24, 2006  
Blogger crt said...

Saberei aguardar. Entretanto, vou passando.

sexta-feira, novembro 24, 2006  
Blogger JM Coutinho Ribeiro said...

Então, meu amigo? Já foi. o pesadelo. Agora é outro tempo. E o Natal vem aí.
Um abraço -cr

sábado, novembro 25, 2006  
Blogger Cabral-Mendes said...

Um abraço, CR!

sábado, novembro 25, 2006  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home