Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 20 de novembro de 2006

A nova guerra do Ultramar.

Afinal, a guerra no Ultramar ainda não terminou.


"Nestas terras os jovens não morrem…" disse o pároco da freguesia de Fonte Arcadinha, aldeia de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, Carlos Sousa.

Pois não. Mas continuam a morrer na nossa antiga África Portuguesa, apesar da guerra já ter terminado.

Idalina Gomes, 30 anos, advogada, leiga missionária portuguesa que, estando ao serviço da organização “Leigos para o Desenvolvimento”, assassinada na Diocese moçambicana de Tete, na missão “Fonte Boa”, foi vítima de uma acção de intimidação e desestabilização das instituições católicas, com delegações em África, em particular em Moçambique. Também nesta acção foi morto o padre Waldyr dos Santos, de 69 anos, jesuíta brasileiro.

Há um grande interesse em apagar a influência das missões católicas, não só por parte dos grupos islâmicos, que estão a dominar a África inteira, em particular o “nosso” Moçambique, como por parte do poder político local, avesso a qualquer manifestação religiosa, mas com especial aversão ao catolicismo.

Aliás, não estou sozinho nesta minha convicção. A cúria moçambicana da Companhia de Jesus, que lidera a Missão, considera que o assalto que vitimou Idalina Gomes, bem como um sacerdote brasileiro, insere-se numa acção concertada contra as missões católicas em Moçambique.

Maria Fernanda Neto, mãe de Idalina, exclamou: “Porque é que a minha filha foi fazer o bem e lhe retiraram a vida ?".

Também nos interrogamos: Que homens são estes que quiseram a independência para apenas viverem no caos e na miséria, material e moral?

Quem souber responder, faça favor.

Para a Idalina, a sua peregrinação nesta terra cruel terminou. Já encontrou a sua casa.




Nota: para ampliar a foto (retirada do "Guard'África -Voluntariado Jovem Missionário" - Diocese de Guarda), clicar na mesma.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home