Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Sôbolos Rios Que Vão... II


"(...) depois do avô morrer uma marca de corpo num ângulo da colcha a intrigar a avó e o senhor Liberto de bandeira enrolada entre o peito e o braço.

- Nunca mais houve passageiros senhora

dado que ou não havia comboios ou não paravam ali, nuvens de vapor sem carruagens e um silvo desprovido de origem que arrepiava os pinheiros (...).

António Lobo Antunes, in "Sôbolos Rios Que Vão", fls. 170. Com a devida vénia.


De facto, sem ele presente, nunca mais os comboios foram os mesmos, os comboios que ele tanto gostava de ver passar, apressados e cheios de gente indiferente.


Gente indiferente. Mas eu não. Nunca.

Etiquetas:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home