Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Inacreditável o estado a que "isto" chegou!

Em jeito de parágrafos telegráficos, algumas verdades:
Portugal está sozinho nesta Europa que finalmente deixou cair a máscara: apenas interesses puramente egoísticos fazem a “União” de Países que estão, afinal, de costas voltadas uns para os outros.

Portugal, sozinho, já foi vencido nesta batalha dos “mercados”.

Soberania da Nação é termo que perdeu simplesmente todo o sentido nestes últimos 36 anos, aqui neste rectângulo.

Apenas uma Europa coesa, que desse “luta” aos especuladores, salvaria cada um dos países, “de per si”, dos “unos” desta era contemporânea.

Interrogo-me o que pensariam desta loucura os governantes do Estado Novo, como Salazar ou Caetano, caso ainda vivessem?

Ela não teria sido possível com o empenho, a coragem e a determinação daqueles. Primeiro estava a Nação, ou seja, todos nós, e não interesses subterrâneos. Mas, obviamente que nestes últimos anos apenas gente desonesta e medíocre nos tem (des) governado.

Vivemos num País sem destino e sem esperança no Amanhã.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Margarida said...

Outros tempos, realidades, passados e sonhos.
Hoje o mundo é mais veloz e ingrato.
Crescentemente malévolo, porque o reino das trevas se acerca.
No fundo, e como sempre, tudo se resume a isso.
O resto são infinitas filosofias.

sexta-feira, abril 30, 2010  
Blogger C.M. said...

Tem razão: tudo se resume a isso...

sábado, maio 01, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home