Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

sexta-feira, 5 de março de 2010

África nossa.

Acerca da barragem de Cabora Bassa (era este o nome à época da construção…), no Jornal Público pode ler-se:

“O primeiro-ministro, em declarações aos jornalistas na sua visita à quarta maior barragem de África, disse ter intenção "de fazer uma operação que permita que empresas moçambicanas e portuguesas fiquem agora ligadas ao projecto". Acrescentou ainda que não fazia sentido "uma participação financeira do Estado português" em Cahora Bassa, mas sim entregar o aproveitamento hidro-eléctrico "a empresas portuguesas que tragam tecnologia e possam assumir um papel no desenvolvimento" da barragem.”

E interrogo-me porque razão Portugal não poderia manter aí uma participação? Zona (Província de Tete) tão atacada no tempo da guerra ultramarina, mesmo assim foi possível construir, graças à defesa ali montada pelos soldados portugueses, o quarto maior lago artificial do continente africano.

Uma “correcção” se impõe: não é o Governo que detém a participação no referido Complexo, mas sim Portugal, a Nação, logo, todos nós. E por mim declaro desde já que não passei nenhuma procuração a Sócrates para ele vender o que quer que seja…

Tudo isto deriva dessa vergonha chamada “descolonização exemplar”, a qual constituiu isso sim uma tragédia para todos os portugueses e, em particular, para aqueles que viviam em território ultramarino, ao tempo parte integrante da Nação (palavra hoje mal vista…), e que tiveram que abandonar, em condições penosas e à pressa, as nossas províncias, por virtude da situação de instabilidade nelas criadas.


Que dizer da acção lamentável dos abrilistas que fizeram o jogo dos movimentos ditos de “libertação”, como o MPLA em Angola, a Frelimo em Moçambique, baixando os braços e deixando toda uma população (branca e negra) à mercê de vinganças? De facto, o movimento dos Capitães previa expressamente a preservação das províncias ultramarinas e não a sua entrega (que se fez deliberadamente atabalhoada).

Foi assim intenção de realizar naquelas um clima de verdadeiro terror a fim das populações brancas regressarem à Metrópole.

Então a África portuguesa não poderia ser um espaço de sã convivência para todos? Ou será que África é só para os negros? Então agora faz-se “apartheid” de raças por continentes? E os negros que estão aqui? Vamos expulsá-los? Haja bom senso e não sectarismos…

Em muitos discursos de Marcello Caetano (esse homem impoluto que deveria ter chegado ao poder muito mais cedo), já se previa a hecatombe humana que se seguiria a uma eventual entrega das províncias aos “movimentos de libertação”.

Ninguém o quis ouvir. Não lhe deram tempo. Nem os “ultras” do Regime, nem os enfeudados aos “amanhãs que cantam”, nem os comprometidos com “interesses subterrâneos” que hoje dominam a sociedade portuguesa.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger kakauzinha said...

Concordo, com tudo. E também com o seu perfil. Sábias palavras.

Sempre fui Católica, hoje também sou Monárquica, com convicção, num desejo de voltar a dar um rosto digno ao nosso Portugal. Deus, Pátria e Família continuam a ser Valores que nunca deveriam ter perdido o seu verdadeiro sentido, independentes de qualquer cor política. E já perdemos tanto!

Parabéns pelo seu blogue, nunca é demais dizer a Verdade e é sempre salutar lê-la.

Maria Duarte

segunda-feira, março 15, 2010  
Blogger C.M. said...

Penhorado pelas suas palavras, Maria.

De facto, eis a trilogia que temos de defender a todo o custo: Deus, Pátria e Família: há algo de mais belo e puro que isto?

sábado, março 20, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home