Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Escolhas...


O Joaquim, aqui ao lado, no “Que é a Verdade?” (http://queeaverdade.blogspot.com/), tem um postal de desafio que levei à letra:

Pretende-se que se escolha 5 autores preferidos, e 1 que mereça apodrecer na estante.

Bem, a lista seria longa…

I -Numa visão muito pessoal, escolheria, do mundo profano (talvez não tanto…):

1."OS LUSÍADAS" de Camões, da simpática (e ao que julgo, extinta) Editora Ulisseia;

2. Toda a obra de MARCELLO CAETANO (HISTÓRIA E DIREITO);

3. OS DISCURSOS DE ANTÓNIO DE OLIVEIRA SALAZAR, da Coimbra Editora;


II - No campo "estritamente" religioso:

4. Shusaku Endo – "Uma vida de Jesus" (lindo…): da Editora Asa.

5. De Jean Guitton – "No Coração do Infinito" e “As Minhas Razões de crer”, ambos da Editora Âncora.


III - Para o lixo: todos os livros sobre a maçonaria!

Etiquetas:

17 Comments:

Blogger redonda said...

Uma escolha muito difícil!
Li o 1º, parte do 2º e mais nada.

segunda-feira, abril 21, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Dificílima!

segunda-feira, abril 21, 2008  
Blogger ferreira said...

De facto escolha nada fácil.Também só li Camões e do Prof.Marcello Caetano apenas dois.Fiquei curioso quanto ao Jean Guitton,que não conheço.
O personagem Pepe Carvalho, de Manuel Vázquez Montalbán acende a lareira com...livros!!??-:)

segunda-feira, abril 21, 2008  
Blogger joaquim said...

É esse o espírito da coisa...que outros o sigam...

Nesta altura da minha vida fico muito curioso com esse
Shusaku Endo – "Uma vida de Jesus"
do qual nunca ouvi falar.
Tenho de o ler, então...

segunda-feira, abril 21, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

:-)

Eu já li e gostei muito! Analisa tudo ao pormenor e leva-nos a fazer novas perguntas, colocando também outras. Maginifica a análise ao contexto social da época e a maneira como descreve os disciplos. Apaixonante! Não percam, l~e-se muito bem e a abordagem está bem feita.

...também li um outro" o Evangelho segundo Shusaku" onde ele contao Evangelho aos Japoneses de uma forma belíssima, ternurenta, direi :-)

Lógico que não li nada dessas obras de Direito, não é a minha área e leio só o que me dá prazer.

segunda-feira, abril 21, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Amigo Ferreira: Montalbán é o criador do detective Pepe Carvalho, mas não sei se ele é incendiário ahahaha...

Dele só tinha um livro, creio que passado numa quinta de nome Galindez se não estou em erro: uma chatice! Olhe, esse deitei-o fora....foi mesmo para o lixo: muito de esquerda ahahaha...

terça-feira, abril 22, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Amigo Joaquim: veja as edições ASA na net, e talvez ainda haja o livro. Eu hei-de ver aqui em Lisboa: é lindo lindo o livro! Atente no que diz a Júlia... Um abraço.

terça-feira, abril 22, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Amiga Júlia: não conheço esse outro romance do "nosso" Shusaku", mas vou procurar...

Direito, cara amiga, é uma paixão! Então o Direito Administrativo! Uma loucura... enfim, "ele" há gostos para tudo...

terça-feira, abril 22, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

segundo lembro, o Evangelho é anterior à vida de Jesus...

hummm... queimar um livro é sinal que ele nos incomodou, é um elogio ao dito, eu não queimo, vou encostando,encostando, até que eles desaparecem! :-))

terça-feira, abril 22, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Vai pondo esses livros lá para atrás, nas prateleiras, Júlia, na esperança de não os ver mais?... É uma táctica...

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Cleopatra said...

Eu escolho os Lusíadas. SEm dúvida!

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Boa escolha, Cleo! Que tal o Canto X? ahahah...

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

Óbvio que eu também escolheria os Lusíadas, é a nossa "Biblía", mas escolho o Canto IX, todos nos eternízamos nele, até a minha voz se eternezou nele,numa gravação para a RTP.




PS - gostei do baile da paróquia!
Ninguem vive sem humor nem sem amor.Pode-se viver,mas vive-se muito mal.

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

sobre a organização dos livros:

é isso,CM! A minha organização é tipo organização emotiva. A minha estante é grande em altura, os mesmos, figuram em linha hierásquica :-))
Ao nivel dos olhos, estão aqueles que eu mais quero perto de mim, de fácil acesso.

Na ultima prateleira do fundo, rente ao chão e ao nível do pó, estão aqueles que eu não gosto.a acrescentar que os pés da minha secretária me dificultam o acesso a eles.:-))

Juro que é verdade! :-)

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Boa táctica, Júlia! Ao nível do pó! Tem piada que eu também utilizo essa técnica do pó ahahah...
Com que então baile da paróquia!... sim senhora...

quarta-feira, abril 23, 2008  
Blogger Cleopatra said...

Não o X não. Nada posso escolher em especial porque todo o Poema é um poema.
E essa da Ilha dos amores ...ora CM.

Arrumação de livros? Por assuntos claro.

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Cleo, desculpe a irreverêcia... é da adolescência ahahaha...

sábado, maio 03, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home