Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Livros como que perdidos... mas a Vida está neles... por descobrir...


Livros preciosos que andam por aí... basta estar atento...

De Ida Gorres – “Teresa de Lisieux”, da Editorial Aster, Lisboa. Edição do longínquo (e parece que foi ontem) ano de 1961.
Um dia, mostraram a esta escritora, Ida Görres, uma fotografia autêntica de Teresa de Lisieux:

“Em profundo silêncio contemplámos aqueles traços familiares e todavia estranhos e alguém disse: — Parece o retrato de Cristo num rosto feminino”.

Santa Terezinha, de uma beleza suave, nas mãos um crucifixo: eis a Santa de todos nós, uma santa dos nossos dias, a qual, através de uma chuva de rosas, nos abençoa e purifica.

Quem quer acolher as suas rosas?

Etiquetas:

15 Comments:

Blogger Júlia Moura Lopes said...

o meu pai gostava e citava muito de Santa Teresinha do Menino Jesus, era assim que lhe chamava...

não me atrai muito a história...

quinta-feira, maio 01, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face, é o seu nome completo de religiosa...

Pois, na verdade ela deu-se inteiramente, mas de um modo muito muito discreto... mas após a sua morte, inúmeros milagres se contam dela... o seu pai deve ter lido a obra mais conhecida sobre ela, "História de uma Alma"...

Mas lida a sua história, ela entranha-se em nós...

quinta-feira, maio 01, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

...é complicado eu explicar aqui, mas eu acho que gosto mais de santos não tão perfeitos, santos mais pecadores, parecem-me mais reais e aproximam-se mais de nós, comuns mortais...:-)

segundo sei, encerrou-se demasiado nova nas Carmelitas. Não teve experiência de vida, nem se expôs aos perigos e tentações, digamos assim...

quinta-feira, maio 01, 2008  
Blogger Isabel Magalhães said...

As minhas avós e a minha mãe eram devotas de Santa Teresinha do Menino Jesus.

Deixo um abraço amigo.

IM

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Olhe, Júlia, eu compreendo-a: para mim, nesse particular, Santo Agostinho dá-me um grande consolo e esperança: teve uma vida de prazer, conheceu (no sentido bíblico) mulheres e por aí fora... contudo, um dia resolve mudar de vida e acolher-se àsombra de Deus... creio que é esse o nosso caminho...

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Olá Isabel!

Oberigado pela visita. Então, essa pintura? Sempre na crista da onda...

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

perdão, estas pressas... obrigado pela sua visita, Isabel. Bjs.

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

obrigada por ter entendido...

Santo Agostinho era um grande pensador. Mas o santo dos meus gostares é S. Francisco de Assis :-)
há coisa mais linda do que ser o Jogral de Deus? Tem textos tão belos!

sexta-feira, maio 02, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

São Francisco de Assis? Mas ó Júlia, eu sou franciscano (ai mas muito pecador, infelizment - tenho de me apressar a aperfeiçoar-me..).

Pertenço, aliás, à Terceira Ordem Franciscana, e de Santo António à Sé (Lisboa).

Olhe que "ele" há coincidências...

(mas também tenho amigos carmelitas...).

sábado, maio 03, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

A casa de meu pai estava sempre cheia de padres e frades de todas as ordens. Tinha amigos Franciscanos em Lamego, lembro...
Sou também sobrinha de padre, mas sempre fui uma rebelde pecadora :-)

Faço sempre as coisas a meu modo.

Agora há uns anos que não vou á missa, mas vou quase todos os dias à Igreja. Não sou muito normal...
sou muito pouco ortodoxa e refuto algumas as regras..

sábado, maio 03, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Interessante o que me diz...

E esse facto de gostar de ir á Igreja, no seu "sossego" é revelador da sua alma...

Nós andamos cá para nos "encontrarmos" com o Transcendente, não é verdade? Cada um à sua maneira...

Ainda ontem (Sexta á noite) tive um padre amigo aqui em casa a jantar... hei-de escrevinhar umas linhas acerca dele...

domingo, maio 04, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

estes acentos aqui nas teclas do pc muitas vezes não saem como eu quero...

domingo, maio 04, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

Sim, gosto muito e dia que não vá não ando bem. vou nem que seja por 5 minutos.
Tenho histórias engraçadas e bonitas por causa disso. Às vezes ando num stress para conseguir ir,mas vou.

um resto de bom domingo!

domingo, maio 04, 2008  
Blogger Cabral-Mendes said...

Boa semana! ( ai que já é meia-noite e vim aqui espreitar...)

segunda-feira, maio 05, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes said...

boa semana também, amigo :-)

segunda-feira, maio 05, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home