Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

"Novus Ordo Missae" ou "Missa Latina Tridentina"


Finalmente que o Vaticano parece reconhecer o facto de que receber a Comunhão na mão enfraquece a devoção diante do Santíssimo.

O Arcebispo Albert Malcolm Ranjith, Secretário da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, alertou para o facto de os fiéis receberem a Comunhão na mão provoca "um crescente enfraquecimento de uma conduta devota diante do Santíssimo Sacramento".


Na sua opinião, a Igreja deveria reconsiderar a permissão para recebê-la desta forma.

Dom Ranjith sublinhou que a prática de receber a comunhão na mão foi "introduzida de maneira abusiva e precipitada"

Nunca o Concílio Vaticano II legitimou esta prática.

Em que ficamos?

Analisando a inovação do "Novus Ordo Missae", qual seja, a da Comunhão na mão, tal configurará um gesto desrespeitoso para com a Sagrada Eucaristia?

Tal poderá significar um acto sacrilego?

Nós, simples crentes, estamos confusos.


Quem, dentro da Igreja, nos iluminará?



Voltaremos a este tema.

Etiquetas:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home