Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Omnia fert aetas ( O Tempo leva tudo embora).



Tenho a paixão dos alfarrabistas, dos livros antigos que já tiveram donos (se acaso nós somos proprietários de alguma coisa...) e os quais já partiram e revelaram-se afinal mais frágeis e efémeros que os livros que leram viveram e amaram…

Que dizer das memórias entranhadas que esses livros têm!... As marcas dos nossos dedos neles impressa, o vestígio ténue da nossa Alma que os contemplou e neles tantas vezes adormeceu…

Que dizer dos ensinamentos que nos podem dar... os “mundos” que esses "calhamaços" viram... outras casas, outras estantes… eles encerram em si todas as conversas tidas numa sala, porventura à lareira, entre quatro paredes forradas de memórias... revestidas de amores, de afectos, de eternas esperanças….

Pressentirão os contemporâneos os tesouros neles encerrados? Os sonhos vividos através desses livros?

Tenho alguns livros assinados por Marcello Caetano. Direito Administrativo, sempre. Passo por vezes os meus dedos pela tinta azul da sua suave e tranquila caligrafia e sinto-a... rugosa, a tinta ainda vive nos seus traços indeléveis. E leio os seus votos a quem ofereceu este ou aquele livro (agora na minha posse – que voltas que as coisas dão neste mundo! - amanhã sabe-se lá de quem…) e penso como a vida é breve, frágil, tão frágil que até os livros nos sobrevivem… até as letras desenhadas pelo nosso próprio punho nos sobrevivem…

9 Comments:

Blogger Cleopatra said...

Também eu tenho essa paixão. Aprendi-a com o meu pai.
As horas que eu gostava de passar lá... no mei de sonhos velhos, páginas lidas e relidas, algumas com apontamentos ao lado...
os livros que guardo em casa de meus pais...velhos carcomidos, lindos.. adoro-os.
tenho uma relação doentia com eles.... é como se fossem pedaços de mim.

quinta-feira, julho 19, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Compreendo-a perfeitamente, Cleo...

quinta-feira, julho 19, 2007  
Blogger redonda said...

Uma forma interessante de olhar para os livros.
Eu costumava ler as datas e locais em alguns dos livros do meu pai e punha-se a imaginar como seria a vida dele então. Ele tinha esse hábito de escrever nos livros, a data e a cidade onde os comprava, e eu passei a fazer o mesmo, desde que me lembro (excepto durante um pequeno período de tempo em que pensei que não deviamos possuir nada porque tudo devia ser de todos)
Acho engraçado agora quando pego em alguns dos meus livros mais antigos e descubro uma letra redonda ( :) ) e infantil.

sexta-feira, julho 20, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

É verdade, cara Redonda, também tenho esse hábito/compulsão de escrever nos livros as minhas impressões, e as datas e locais onde os adquiro... um dia quem os lerá?...

sábado, julho 21, 2007  
Blogger Kamikaze (L.P.) said...

Belíssimo.

Abraço

terça-feira, julho 31, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Esse elogio vindo de si!...até me deixa corado...

terça-feira, julho 31, 2007  
Blogger Cleopatra said...

Redonda, um dia, quando olhares essas letras que são e foram do teu pai, vais sentir a presença dele, o traço dele , da caneta dele, o rosto dele e o olhar atento e sonhador enquanto escrevia.
Vais rever as mãos dele..o cheiro dele e o sorriso que te dava quando estava feliz
Vais sentir o orgulho dele por ti
e vais deixar rolar uma lágrima de felicidade, de saudade, de dor e muito, muito amor.

quinta-feira, agosto 02, 2007  
Blogger Cleopatra said...

Posso perguntar quem é o rapaz da foto?

quinta-feira, agosto 09, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Olhe, Cleo, eu não sou...enfim...mas olhe, lembrou-me uma loucura: vou colocar uma foto "nossa" assim algo esbatida, ok?

quinta-feira, agosto 09, 2007  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home