Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

São Valentim.


Liturgicamente, 14 de Fevereiro é o dia de São Cirilo e de São Metódio, não o dia de São Valentim. Segundo a tradição, São Valentim foi um dos primeiros bispos de Terni, que morreu mártir durante o reinado do imperador Cláudio II.

O seu nome está ligado a algumas lendas – provavelmente nascidas em França ou Inglaterra quando este dia começou a ser dedicado aos namorados - desenhadas a partir das histórias em torno de São Valentim, decapitado a 14 de Fevereiro por se ter recusado a renunciar ao Cristianismo e por, secretamente, ter celebrado o casamento entre uma jovem cristã e um pagão legionário, apesar da proibição de Cláudio II.

Apesar de continuar a ser celebrado em várias paróquias, a festa de São Valentim foi removida do calendário litúrgico em 1969 – numa decisão de reformar as festas dos santos que tiveram origem em lendas. Até ao II Concílio do Vaticano, a Igreja Católica dedicava pelo menos 11 dias a São Valentim.

( Agência Ecclesia - com a devida vénia).

Dia dos namorados, dizem. Mas não o devem ser todos os dias?
Dia sem carinho, é um dia a menos no paraíso...

Etiquetas:

6 Comments:

Blogger maria said...

que grande frase... devia ser assim mas quantos não deslizam pela vida num desamor total...
é por isso que se refugiam na poesia, na escrita, nas artes, no alcool...
pobre mundo que será novo... tenhamos essa esperança.
xi
maria de são pedro

segunda-feira, fevereiro 15, 2010  
Blogger Margarida said...

Sim, C.M., devia ser todos os dias e, para tantos felizardos, é.
Sucede que estes dias 'especiais' servem o propósito de entre outras coisas prosaicas) recordar factos, 'deveres', urgências, até.
É urgente o Amor.
Em todas as suas vertentes, sim, mas entre os pares, em particular.
Daí se espalha a vida.
Todo o tipo de vida.

segunda-feira, fevereiro 15, 2010  
Blogger C.M. said...

Tenhamos, sim, maria, apesar de tudo.

Bj.

segunda-feira, fevereiro 15, 2010  
Blogger C.M. said...

Margarida, ai os deveres! Quando a "coisa" cai no "dever", estamos "feitos", não é?

Já dizia o Eugénio de Andrade, é urgente o amor...

segunda-feira, fevereiro 15, 2010  
Blogger JúliaML said...

É a expressão pura do Marketing dos Afectos, este dia dos namorados.

terça-feira, fevereiro 16, 2010  
Blogger C.M. said...

Pois é, Júlia... Tempos!

terça-feira, fevereiro 16, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home