Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Ausência de Bach.



A Coreia do Norte realizou "com êxito" um novo ensaio nuclear, desprezando as pressões internacionais que visam fazê-la renunciar ao seu programa bélico.

Hoje de manhã, ao ouvir esta notícia, pensei no triste destino deste povo norte-coreano, que vive em permanente espírito de guerra, dominado por umas falsa doutrina que apenas visa incutir o ódio no coração de todos.

É inconcebível como um povo inteiro pode ser privado de um gesto tão simples e tão transcendente como a audição de uma cantata de Bach.


Ainda há muita escuridão nesta Terra.

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger Margarida Pereira said...

A Luz esforça-se...

segunda-feira, maio 25, 2009  
Blogger C.M. said...

É caso para dizer, parafraseando o Obi-Wan Kenobi do "Star Wars", May the Force be with... us!

terça-feira, maio 26, 2009  
Blogger Margarida Pereira said...

Querido C.M., a batalha iniciou-se na origem dos tempos e prolongar-se-á indefinidamente.
Cada fase histórica é um capítulo dessa imensa guerra entre os dois pólos: Luz e sombra.
A quem defende cada fronteira cabe assegurar-se da convicção da sua essência e lutar por a impor.
Assim fazem eles; melhor do que isso temos de fazer nós.
Além de todas as dúvidas, acima de cada fraqueza, cumpre-nos empunhar a bandeira divina de um lado e a lança defensiva do outro.
E mantenho o 'defensiva', porque mesmo os portadores do 'mal' são dignos de piedade.
Ou sobretudo eles.
Recordemos sempre a generosidade sincera de Cristo, ao pedir ao Pai que lhes perdoasse, por não saberem o que faziam.

terça-feira, maio 26, 2009  
Blogger C.M. said...

Belo texto... a minha amiga está cá uma teóloga...

quarta-feira, maio 27, 2009  
Blogger Margarida Pereira said...

Vá, não se ria...
Sucede que creio firmemente que se escrevermos com o coração nem somos bem nós que escrevemos, se me entende...

quarta-feira, maio 27, 2009  
Blogger C.M. said...

Entendo pois...

sexta-feira, maio 29, 2009  
Anonymous candida said...

eles sabem o k fazem, margot.

domingo, junho 28, 2009  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home