Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

domingo, 14 de dezembro de 2008

D. António Ribeiro.


Nestes dias que passam, o tempo corre veloz. E lamento que, devido à grande instabilidade legislativa, tenha que "perder" tempo a actualizar-me constantemente na área do Direito (sorte daqueles que me precederam no ofício!) em vez de ler os meus romances, a Bíblia, os autores inspirados dos nossos dias. Como D. António Ribeiro que, nesta quadra natalícia, evoco.


Não sei explicar mas, a leitura das suas homilias calam fundo na alma... e há tantos anos que essa palavra foi proclamada! Não é que ela mantém toda a actualidade, todo o seu vigor?


Um manto de tranquilidade nos cobre quando lemos aquelas páginas repletas de uma serena reflexão sobre o amor de Cristo. Uma mensagem de esperança emana daqueles textos que vêm suavizar, de facto, o nosso quotidiano.


Lembro-me de ver o seu carro estacionado junto à Sé. Era igual ao meu, um Citroen BX 14 TGE! Uma "máquina" para o tempo!


Foi o "meu padre" dos anos de juventude, eu que o via e ouvia, na televisão, proclamar a mensagem do Evangelho.

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger JúliaML said...

todos os da nossa geração se habituaram a vê-lo na TV.

um Bom Domingo, CM

domingo, dezembro 14, 2008  
Blogger C.M. said...

Também para si, Júlia!

Boas viagens...

domingo, dezembro 14, 2008  
Blogger joaquim said...

Lembro-me muito bem dele, quando ainda era Padre, praticamente todos os Domingos, à hora do almoço, na Pastelaria Orquidea, na Rua Alexandre Herculano, junto ao Rato, fumando o seu cigarro.

Era para nós, familia, paragem obrigatória quando vinhamos da Missa do meio dia na igreja de São Mamede.

Era um homem sereno e profundo.

Abraço amigo em Cristo

segunda-feira, dezembro 15, 2008  
Blogger C.M. said...

Então o meu amigo também andava aqui em Lisboa ao tempo...muito bem.
Hei-de ver se essa pastelaria ainda está aberta, para ver a "atmosfera"...

Abraço em Cristo.

quarta-feira, dezembro 17, 2008  
Blogger joaquim said...

Ficava entre a Rua Rodrigo da Fonseca, onde eu morava e a Rua Vale do Pereiro, se não me engano neste nome, e que era uma rua que ia da Alexandre Herculano para a Rua do Salitre, onde ficava o Colégio Clenardo, onde eu andei.

Em frente de uma zona onde a rua que vem do Rato se bifurca na Rua Braamcamp e a Rua Alexander Herculano.

Tinha uns rissóis de camarão "divinais", quentinhos por volta da 1 hora da tarde!!!

Mas isto já lá vão mais de 40 anos!!!

Abraço amigo em Cristo

quarta-feira, dezembro 17, 2008  
Blogger joaquim said...

A Orquidea ficava na Rua Alexandre Herculano, mas entre aquelas duas ruas que menciono.

quarta-feira, dezembro 17, 2008  
Blogger C.M. said...

Ó Joaquim, vou mesmo ver se lá está ainda a Orquidea, e depois digo-lhe como estão as paragens... até dá para um postal! ahaha!

Estou a "ver" a Rua Rodrigo da Fonseca, e a Rua Vale do Pereiro...vou lá "espreitar a um Sábado, que há mais sossego...

Abraço!

sexta-feira, dezembro 19, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home