Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

domingo, 11 de maio de 2008

Veni Sancte Spiritus!



Neste Domingo celebramos a solenidade do Pentecostes:

“Quando chegou o dia de Pentecostes,
os Apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar.
Subitamente, fez se ouvir, vindo do Céu,
um rumor semelhante a forte rajada de vento,
que encheu toda a casa onde se encontravam.
Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo,
que se iam dividindo,
e poisou uma sobre cada um deles.
Todos ficaram cheios do Espírito Santo
e começaram a falar outras línguas,
conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem.”


(Actos 2,1-11)

Joaquim de Fiore, abade beneditino (séx. X) concebeu a seguinte teoria: o tempo do Pai seria o tempo do Antigo Testamento; o tempo do Filho seria o tempo da Igreja; e depois viria o tempo do Espírito Santo, tempo esse marcado pela perfeição.

Tal teoria deu até lugar a vários movimentos “espirituais” dentro do franciscanismo…

Mas o que aqui importa salientar é o facto de que Deus veio ao mundo na Pessoa de Jesus Cristo. Este disse que não ficaríamos sós, pois que o Pai daria outra Presença, a qual estaria connosco até ao fim dos Tempos: o Espírito Santo.

O dia de Pentecostes inaugura assim o “tempo” do Espírito Santo. É necessário invocá-lo para que Ele, o Pai e o Filho morem connosco.

A Palavra de Jesus permanece para sempre…

Etiquetas:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home