Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Amar não é pecado...


Por causa de uma "conversa" a várias vozes no "Blog" da Margarida, surgiu a ideia de como é bom "pecar à lareira" neste tempo já frio e quase invernoso.

Bem, amar não é pecado, "penso eu de que", como diria o Pinto da Costa. Aliás, o desamor é que é um grande pecado, a indiferença, a frieza, o distanciamento.

Aqui fica uma ideia da paixão à lareira...
(o teor deste "blog" impede-me de colocar uma imagem mais explícita...).


Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Margarida said...

“Amar não é pecado”, afirma, lampeiríssimo.
Não? Então porque é tão carregado de crítica todo o amor maculado de, digamos, ilegalidade? Se amo alguém comprometido, sou culpada desse sentimento. Sou. Sou-o até mais do que a outra pessoa, que retribui, mas que é tida como vítima de tentação. Coitadinha.
Cautela nisto de amar. É perigosíssimo. Nem sei de algo mais fatal para a vida. Morre-se de amor, sim. Hoje, agora. Recusamos o mundo devido a uma paixão mal sucedida, a uma crença desperdiçada, a um desengano, a um desperdício, a um equívoco, a um desamor.
A sintonia, o equilíbrio, o encontro, a magia da reciprocidade é algo tão raro, tão precioso, tão miraculoso, que tarde começo a compreender o que de divino existe nesse encontro de almas.
O resto?
Ilusão.
Ó vós que tendes a fortuna do milagre do toque do bem supremo, guardai zelosamente esse tesouro, porque o mundo espreita, impaciente e cobiçoso, para vos levar a paz.
E é só disso que falo.

terça-feira, novembro 23, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home