Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

O drama do Tempo.



Hoje, através de mão amiga que me fêz chegar o texto, quero aqui colocá-lo, pois que ele é da autoria de um Irmão muito próximo, Frei Isidro Lamelas, sacerdote e frade franciscano. Acerca deste tempo que vivemos: tempo que se diz de “férias” e se pretende que seja de descanso.

Mas será que o aproveitamos bem?

Aqui vai o texto:

“Férias: saber perder tempo"

Para tudo há um tempo debaixo dos céus:
Tempo para nascer e tempo para morrer,
Tempo para procurar e tempo para perder,
Tempo para guardar e tempo para deitar fora" (Ecle 3, 1.6).

Em tempo de férias é sempre oportuno reflectirmos sobre o bem mais precioso
da nossa vida: o tempo.
Perguntem ao estudante que reprovou, quanto vale um ano! Perguntem à mãe que
teve o bebé prematuro, quanto vale um mês! Perguntem aos namorados que não
se viam há muito, o valor de uma hora! Para perceber o valor de um minuto,
perguntem ao passageiro que perdeu o avião! Para perceber o valor de um
segundo, perguntem a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente!
Assim nos mostra a vida como é precioso cada ano, cada dia, cada hora ou
fracção de tempo. Será por isso que se diz que "o tempo é dinheiro"? Ou será
que o tempo, como a moeda, se vai desvalorizando na nossa vida cronometrada
do dia-a-dia? E, no entanto, Deus dá-nos todo o tempo do mundo de graça.
Todo o tempo deste mundo: o cronos e o káiros, o tempo medido e o tempo
vivido.
Os antigos consideravam que a verdadeira ocupação do homem era o ócio e não
os negócios. Os monges tentaram manter vivo este ideal do homem ciente da
sua vocação: não fomos criados para trabalhar, mas para louvar o criador;
estamos neste mundo não para explorar a terra, mas para cuidar do jardim da
criação. Ora et labora foi a fórmula de equilíbrio encontrada pelos mestres
espirituais que sempre consideraram o ócio e a contemplação tão importantes
como o trabalho.
Na escola, na família e na sociedade preparam-nos para o trabalho, mas não
nos preparam para o ócio nem nos ensinam a saber "perder tempo". Não nos
faltam meios e propostas para matarmos o tempo, em vez de nos ensinarem a
arte de vivê-lo com sabedoria: uns matam o tempo diante do televisor, outros
"ocupando os tempos livres" para que nunca estejam livres; outros em
actividades radicais, para que nunca cheguem à raiz das coisas e dos
problemas... Matamos o tempo para não nos cruzarmos com a morte, e fugimos à
morte para não nos encontrarmos com a vida.
Passamos a vida a correr contra o tempo, a lamentarmo-nos que "não temos
tempo", quando afinal o tempo só nos foge porque nós corremos contra ele.
Construímos vias rápidas e máquinas velozes para ganhar tempo, mas é o tempo
que foge e passa depressa sem nos permitir contemplarmos a paisagem de cada
dia e saborear as paragens que a vida nos proporciona. Tornamo-nos escravos
do relógio e cada vez sabemos menos "a quantas andamos". Na ilusão de
corrermos contra o tempo estamos a correr contra nós, pois não vivendo
realmente, acabamos por queimar o tempo e a vida.
Como é difícil valorizar o tempo presente que Deus nos dá, vivendo o ritmo
quotidiano da vida. Os mais velhos continuam a sonhar com o passado sempre
"muito melhor" (no meu tempo é que era bom!), enquanto os mais jovens vivem
obcecados com o futuro. Vamos assim contando os dias e os anos sem vivermos
cada momento e cada dia: uns sempre atrasados ou desactualizados, outros tão
avançados que parecem viver noutro planeta e fuso horário.
Necessitamos de reaprender a arte do ócio, de dar tempo a nós mesmos, à
família, aos amigos. Precisamos de perder tempo com coisas "inúteis":
pararmos a admirar o mistério do amanhecer, saborear a brisa da madrugada
que nos fala de Deus, escutar a polifonia dos pássaros que cantam sem
contrato, ouvir o silêncio das criaturas e decifrar as mensagens das
estrelas...
O tempo de férias constitui uma ocasião propícia para acertarmos a vida pelo
relógio do sol e pelo ritmo das criaturas. É o tempo em que podemos tapar os
ouvidos ao bater das horas, para escutarmos mais as batidas do coração.
Longe de ser um tempo para "passar" ou mal gasto, as férias deveriam ser o
tempo bem empregue: onde conseguimos arranjar agenda para nós e para os
outros; onde redescobrirmos que o dinheiro não é tudo, que as melhores
coisas da vida não se compram, pois são grátis, são graça. Longe de ser um
tempo de evasão, as férias deveriam ser tempo de encontro, de reflexão, de
avaliação; deveriam ser uma ocasião para passarmos do tempo de fazer (ter
que fazer), para o tempo de viver, o tempo de experiência da autenticidade e
da criatividade; Uma oportunidade para transitarmos das evasivas utopias da
máquina do tempo para voltarmos a "ter tempo" e a vivê-lo com magia e
fantasia infantil.
Quem dera que pelo menos as nossas férias fossem um tempo da experiência
compartilhada com o outro, tempo favorável ao encontro, tempo cheio de
significados. Como tão bem observou Marcel Proust: "Uma hora não é uma hora,
é um vaso cheio de perfumes, sons, projectos e climas". Uma vida não é vida
se não for assim: cheia de perfumes, sons, projectos e climas. Pois, afinal,
a vida não é o tempo e os anos que vamos contando, mas uma história de
tempos, lugares e encontros cheios de tudo isso.
Dizia a raposa ao Princepezinho, "foi o tempo que perdeste com tua rosa que
fez tua rosa tão importante". Porque esta continua a ser uma verdade
esquecida entre os humanos, é importante que haja quem saiba e ensine a
"perder tempo" com o mais importante. E o mais importante continua a ser
"criar laços" e "deixar-se cativar".
.

9 Comments:

Blogger Ni said...

Excelente, o post!

O tempo...
(...)
-nas reticências pensei em tantas coisas-

Lembrei-me duma canção de LEO FERRE:

Avec le temps
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
On oublie le visage et l'on oublie la voix
Le coeur quand ça bat plus, c'est pas la peine d'aller
Chercher plus loin, faut laisser faire et c'est très bien
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
L'autre qu'on adorait, qu'on cherchait sous la pluie
L'autre qu'on devinait au détour d'un regard
Entre les mots, entre les lignes et sous le fard
D'un serment maquillé qui s'en va faire sa nuit
Avec le temps tout s'évanouit
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
Mêm' les plus chouett's souv'nirs ça t'a un' de ces gueules
A la Gal'rie j'Farfouille dans les rayons d'la mort
Le samedi soir quand la tendresse s'en va tout' seule
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
L'autre à qui l'on croyait, pour un rhume, pour un rien
L'autre à qui l'on donnait du vent et des bijoux
Pour qui l'on eût vendu son âme pour quelques sous
Devant quoi l'on s'trainait comme trainent les chiens
Avec le temps, va, tout va bien
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
On oublie les passions et l'on oublie les voix
Qui vous disaient tout bas les mots des pauvres gens
Ne rentre pas trop tard, surtout ne prend pas froid
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
Et l'on se sent blanchi comme un cheval fourbu
Et l'on se sent glacé dans un lit de hasard
Et l'on se sent tout seul peut-être mais peinard
Et l'on se sent floué par les années perdues
Alors vraiment
Avec le temps on n'aime plus.

Desculpe, caro amigo, este comentário pouco alegre... mas esta canção é-me muito especial.

sábado, agosto 11, 2007  
Blogger Ni said...

Acabei de ver o filme «Before Sunrise». Fui trocando impressões via sms com quem mo aconselhou.... e, inevitavelmente, o tempo foi um dos temas... tempo da juventude... mas também o tempo actual... porque o tarde não existe para louvar a vida!

O tempo não volta... mas nós estamos sempre 'a tempo' de 'dar a volta'... e declarar , a partir de hoje, o tempo dos sonhos possíveis!

Sorriso.

Abraço, com muita amizade!

Prends le temps...

Prends le temps d´aimer...
C´est le secret de l´éternelle jeunesse!
Prends le temps de lire...
C´est la source du savoir!
Prends le temps d´écouter...
C´est la force de l´intelligence!
Prends le temps de penser...
C´est la clef de la réussite!
Prends le temps de jouer...
C´est la fraicheur de l´enfance!
Prends le temps de rire...
C´est la musique de l´âme!
Prends le temps de pleurer...
C´est l´émotion d´un grand coeur!
Prends le temps de vivre...
Car le temps passe vite
Et ne revient jamais!

sábado, agosto 11, 2007  
Blogger SILÊNCIO CULPADO said...

É um texto lindissímo que nos mostra o valor do tempo. Esse bem precioso que, muitas vezes, esbanjamos inutilmente, que uma vez perdido jamais se recupera e que não se pode dar a ninguém.
Bem haja por esta excelente reflexão

sábado, agosto 11, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Gosto muito de Leo Ferre. Tenho, se não todos, quase todos os seus discos em vinil. É uma paixão que ainda hoje se mantém.

Adorava contemplar as belas capas dos discos de então, o seu ar rebelde, os seus filhos tão novos, ele que já tinha 70 anos ou lá perto…

Ele faz-me recordar tempos de grandes sonhos, romantismos vários, que sei eu?

Mas hoje, a sua música recorda-me também uma época em que a vida parecia eterna e ninguém tinha ainda partido…

Olhe, Ni, vou repescar um post meu antigo, publicado noutro blog (do qual já saí, ou tive de sair…) e vou colocá-lo nesta folha, ok?

Para si, com muita amizade.

Cabral Mendes

domingo, agosto 12, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Silêncio Culpado, obrigdo pelas suas palavras.

Em tempo: visitei o seu blog: um grito contra as injustiças! A não perder, de facto.

domingo, agosto 12, 2007  
Blogger redonda said...

Gostei de ler este texto sobre o tempo. Traduz em parte o que penso, mas às vezes não é fácil saber "perder" tempo com o mais importante.
Um beijinho e uma boa semana :)

segunda-feira, agosto 13, 2007  
Blogger Cleopatra said...

Uma oportunidade para transitarmos das evasivas utopias da
máquina do tempo para voltarmos a "ter tempo" e a vivê-lo com magia e
fantasia infantil.

Obrigada pelo tempo que nos ofereceu
e pelo tempo que me fez ganhar.
BJ Vou.

quinta-feira, agosto 16, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Cara Redonda, de facto não é fácil saber utilizar o tempo da melhor maneira. A época actual é favorável à inútil dispersão...

sexta-feira, agosto 17, 2007  
Blogger Cabral-Mendes said...

Cleo, de facto que bom seria podermos, por vezes, voltar atrás no Tempo e "repescarmos" esse mesmo Tempo para o viver de outra maneira, com mais qualidade, com outro sabor! Mas a vida é isto; uma contínua aprendizagem e a tentativa de nos aperfeiçoarmos.

sexta-feira, agosto 17, 2007  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home