Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quarta-feira, 22 de março de 2006

Lisboa, 22 de Março de 1922: Quando aqui morava a aventura...



Em Lisboa, a 22 de Março de 1922, Gago Coutinho e Sacadura Cabral iniciaram a Travessia Aérea do Atlântico, rumo ao Rio de Janeiro.

Gago Coutinho afirmou o seguinte:

Nós não fomos heróis. Usámos manhas de geógrafos, que se orientam pelo sol e pelas estrelas...
... eu sou um homem de café. Em toda a minha vida sempre fui simples. Quiseram fazer de mim uma outra pessoa quando do voo ao Brasil em 1922. Juntaram-nos no mesmo nome: Coutinho-Cabral, mas Sacadura era o chefe e o trabalho foi dele quase todo.

Do nevoeiro virá, talvez um dia, o nosso D. Sebastião. Mas foi através do perverso nevoeiro que desapareceu Sacadura Cabral, restando apenas alguns destroços do avião. Destroços. Tal como a Pátria.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home