Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

quarta-feira, 8 de março de 2006

Da Mulher, no Dia Internacional da Mulher...


Registo 1.
Na Carta Apostólica “Mulieris Dignitatem", de João Paulo II (15.8.1988) reflecte-se sobre a "dignidade e a vocação da mulher, a igualdade e a comum dignidade do homem e da mulher, as respectivas diferenças complementares (…) quer no seu ser pessoal quer na comunhão de vida conjugal e familiar (…). O relacionamento de Jesus com as mulheres do Evangelho, e a figura de Maria, a mais perfeita criatura saída das mãos de Deus, ajudam a admirar o “génio feminino” a que tanto deve a Sociedade (e a Igreja)".“A mulher (escreveu João Paulo II) é um outro “eu” na comum humanidade. Desde o início, [o homem e a mulher] aparecem como “unidade dos dois”, e isto significa a superação da solidão originária (…). Certamente se trata da companheira da vida (…) tornando-se com ela “uma só carne (…).
Registo 2
Neste dia, do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias que, nas suas 16 horas, recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarara um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas.Com a celebração deste dia, pretende-se chamar a atenção para o papel e a dignidade da mulher, o seu valor como pessoa, e não um mero objecto de prazer ou escravidão, qualquer que esta seja. E perceber o seu papel na sociedade.

Sem a Mulher, não existiria a inspiração necessária para um pequenino poema ( grande na ternura) como este:

"deixo
sempre um segundo
de amor
todas as noites
na tua mesinha
de cabeceira"

(Miguel Barbosa, in Cerejas – Poemas de Amor de Autores Portugueses Contemporâneos, Editorial Tágide).

1 Comments:

Blogger Isabel Magalhães said...

"deixo
sempre um segundo
de amor
todas as noites
na tua mesinha
de cabeceira"

Sublime! :)

sábado, abril 01, 2006  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home