Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

sábado, 7 de junho de 2008

Mais pobres.


Yves Saint Laurent, último mito vivo que revolucionou a indumentária feminina do século XX, deixou este mundo.

Foi um pioneiro no mundo da moda, e tão influente como os seus pares Christian Dior ou Coco Chanel.
Pelas suas mãos mágicas, a Mulher, já de si um ser intrinsecamente belo, ficou mais belo ainda.

Por seu expresso desejo, as cinzas do estilista serão depositadas nos jardins Majorelle em Marrakech, Marrocos, junto à sua residência.

Tal cerimónia terá lugar na próxima quarta-feira (dia 11).

Marrakech, dizem quem a conhece, que guarda uma certa aura mística, e exerce um estranho fascínio em quem a visita. Marraquexe, a quarta cidade imperial do reino de Marrocos…

Cidade que imagino de cores mágicas, rituais de luzes, os chamamentos para as orações, as vozes dos contadores de histórias na praça de Jemaa el-Fna, aquela que dizem ser a mais mítica praça de Marrakech, senão de todo o Marrocos.

Certamente que esse fascínio terá atingido o coração de Yves Saint Laurent, ele que, aliás, nasceu na Argélia, colónia da França…


A França está mais pobre. Estamos todos mais pobres e sozinhos.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Júlia Moura Lopes said...

não sabia que ele tinha nascido na Argelia...

Ele soube adaptar o brilho à funcionalidade, para que nos sentissemos confortáveis.
Lembra das primeiras calças? eheheh

gosto também dos perfumes dele. Lembro que na minha juventude usava o Rive Gauche. O Opium muito mais tarde.

domingo, junho 08, 2008  
Blogger C.M. said...

Os perfumes... um sonho...

domingo, junho 08, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home