Dies Domini

Sartre escolheu o absurdo, o nada e eu escolhi o Mistério - Jean Guitton

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Reino Portugal Padroeira: Nª Srª Conceição, Portugal

Monárquico e Católico. intransigente defensor do papel interventor do Estado na sociedade. Adversário dos anticlericais saudosos da I República, e de "alternativos" defensores de teses “fracturantes”. Considera que é tempo, nesta terra de Santa Maria, de quebrar as amarras do ateísmo do positivismo e do cientismo substitutivo da Religião. Monárquico, pois não aliena a ninguém as suas convicções. Aliás, Portugal construiu a sua extraordinária História à sombra da Monarquia. Admira, sem complexos, a obra de fomento do Estado Novo. Lamenta a perda do Império, tal como ocorreu.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Elle n'est pas belle la vie mais... ELLE EST SI JOLIE...


Elle était si jolie
(Alain Barrière)



Elle était si jolie
Que je n'osais l'aimer
Elle était si jolie
Je ne peux l'oublier
Elle était trop jolie
Quand le vent l'emmenait
Elle fuyait ravie
Et le vent me disait...

Elle est bien trop jolie
Et toi je te connais
L'aimer toute une vie
Tu ne pourras jamais
Oui mais elle est partie
C'est bête mais c'est vrai
Elle était si jolie
Je ne l'oublierai jamais

Aujourd'hui c'est l'automne
Et je pleure souvent
Aujourd'hui c'est l'automne
Qu'il est loin le printemps
Dans le parc où frissonnent
Les feuilles au vent mauvais
Sa robe tourbillonne
Puis elle disparaît...

Elle était si jolie
Que je n'osais l'aimer
Elle était si jolie
Je ne peux l'oublier
Elle était trop jolie
Quand le vent l'emmenait
Elle était si jolie
Je n'oublierai jamais.
XX
Hoje, uma amiga remeteu-me esta canção num "clip" (não é assim que se diz?). Há muitos anos que a não ouvia. Interrompi o que estava a fazer: o forte cheiro do mar invadiu o gabinete, e levou para longe o bafio da (inútil) papelada que nos consome a existência.


Chorei. Saudade do sol, das colinas verdes da infância, do cheiro da resina dos pinheiros, do cheiro do Tejo, o som da sua suave corrente, das manhãs que pareciam eternas, do mar antigo, de todos aqueles que já cá não estão e com os quais eu quereria desesperadamente reescrever uma nova história. Entretanto, a inocência irremediavelmente perdida...

Saudades de viver...


Mas hoje, apenas uma coisa é certa: ela continua, todos estes anos passados, a mais bela mulher que conheci.



Etiquetas:

4 Comments:

Blogger JúliaML said...

http://br.youtube.com/watch?v=FLxAoSnkaw8

está aqui o video...

segunda-feira, novembro 17, 2008  
Blogger C.M. said...

Vexa Júlia, é terrível...mas eu destas tecnologias...

terça-feira, novembro 18, 2008  
Blogger Cleopatra said...

Esta canção é tão jolie... je L'aime beaucoup. Ai que saudades!

terça-feira, novembro 18, 2008  
Blogger C.M. said...

Que saudades das manhãs eternas!

terça-feira, novembro 18, 2008  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home